Post completo: Elfo

11 de Fevereiro de 2009 10:05

Depois de dois posts completos envolvendo monstros, vamos ao primeiro post completo envolvendo uma raça jogável: o elfo.

Mesmo sendo uma raça bastante explorada no D&D, existem elementos interessantíssimos envolvendo os elfos que há muito tempo não são explorados, especialmente sobre a sua fisiologia e aspectos emocionais do elfo. E é exatamente sobre esses elementos há muito esquecidos que irei abordar neste post completo.

FISIOLOGIA: os elfos possuem habilidades exclusivas, que outras raças só podem emular através de magias poderosas. Entretanto, eles não se consideram superiores às demais raças, mas sim, abençoados por possuírem tais poderes.

Dentre essas habilidades encontramos a comunhão, a visão élfica, a manifestação, o transe e o elo emocional.

Comunhão: todos os elfos nascem com a habilidade de compartilhar suas experiências, sentimentos e vidas com elfos amados ou com os quais possuem uma relação de confiança. A comunhão só pode ser realizada de maneira voluntária e entre elfos.

Para realizar a comunhão, os elfos devem se retirar para um local reservado, onde possam ficar alheios aos assuntos do mundo ao redor. Nesse local, os participantes devem se concentrar e atingir um estágio de serenidade plena, onde possam pensar apenas naqueles com quem estão compartilhando suas vidas. Os elfos participantes devem se livrar de todos os julgamentos e preconceitos em relação aos outros envolvidos na comunhão. Após esse transe, os elfos suavemente tocam as palmas das mãos dos outros, abrindo suas mentes para os outros, de forma livre e plena. Durante a comunhão, os elfos exploram todas as facetas da personalidade dos demais participantes – os amores, os inimigos, as esperanças, os medos.

Os benefícios da comunhão não se limitam à intimidade plena em relação aos participantes, eles também se tornam íntimos com seus hábitos, habilidades e formas de pensar. Desta forma, no dia seguinte ao da comunhão, os elfos participantes recebem um bônus de sinergia de +2 para todas as jogadas.

A comunhão só pode ser realizada uma vez por semana.

Visão élfica: os elfos possuem uma visão extremamente afiada, com a possibilidade de perceber nuances do espectro infravermelho, permitindo que consigam enxergar em locais mal iluminados.

Manifestação: mesmo sendo mais baixos que os humanos, os elfos possuem uma capacidade única de imposição. A manifestação permite que um elfo aparente ser maior do que realmente é, impondo sua presença perante outras criaturas. Essa habilidade decorre da ligação que o elfo possui com a terra e, por isso, só venha a funcionar no Plano Material. Além disso, a manifestação só pode funcionar no habitat natural dos elfos, ou em lugares por eles construídos, especialmente quando querem fazer com que sua presença seja notada por invasores. Por estarem cientes da ligação entre o elfo e a terra, a manifestação não funcionará se forr utilizada para intimidar outro elfo.

A manifestação dá um bônus racial de +3 para as jogadas de Intimidação por 3 rounds.

Transe: uma das principais diferenças entre os elfos e os homens é que os elfos não dormem, recuperando-se através de um processo chamado de transe. Apesar de possuir semelhanças com o sono, o transe é bastante diferente. Ao entrar neste estado, a mente do elfo se volta ao passado, revivendo memórias tanto agradáveis como dolorosas. Assim como nos sonhos dos homens, os elfos não possuem controle sobre quais memórias serão revividas.

Ao entrar em transe, o elfo não necessariamente fecha os olhos, mas se mantém relaxado, com o olhar distante e perdido, como se estivesse olhando para terras e tempos distantes. Durante esse tempo, o elfo está ciente do que acontece ao seu redor, mas não pode interferir mais do que um homem interferiria durante o sono.

Além de ser fonte de descanso, o transe também serve como uma ferramenta de memória que ajuda o elfo a manter a sua identidade. Já que seu ciclo de vida é bastante longo, os elfos precisam reviver eventos do passado de forma periódica, para que os eventos que ocorreram há centenas de anos permaneçam ligados às mudanças na personalidade que causaram.

Elo emocional: muito raramente, um elfo pode vir a formar um elo místico e indestrutível com outra criatura. Geralmente esse elo é representado por um presente dado pelo elfo. Através deste elo, o elfo e o seu escolhido podem perceber, mesmo separados por grandes distâncias, os sentimentos do outro, seja de alegria, de tristeza, de raiva ou de vitória. Caso o elfo ou a outra criatura venha a morrer, o outro sentirá a morte, mesmo à distância, pois o elo emocional estará rompido. Um elfo só pode realizar o elo com uma criatura durante toda a sua vida. Este elo pode se aplicar também à tera. Se confinado ou preso em um local distante, um elfo pode vir a morrer de tristeza e solidão. O prisioneiro se desprende de toda a esperança e, mesmo sem sofrer danos físicos, sua vida se encerra.

EMOÇÕES ÉLFICAS: o longo ciclo de vida de um elfo lhe dá uma perspectiva bastante peculiar sobre a vida, muitas vezes incompreendida por seres das outras raças. Por isso se dão ao luxo de dedicar longos anos para atividades consideradas fúteis por seres com um ciclo de vida mais reduzido. Isso acaba por refletir na qualidade dos trabalhos élficos; suas armas são as mais bem forjadas, suas músicas são as mais belas, suas jóias são as mais bem lapidadas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s